Resultados 1 a 1 de 1

Tópico: Canalha Vence (placar=10X0)

  1. #1
    Toca Fun! Avatar de gu1le
    Data de Ingresso
    Sep 2011
    Localização
    Arrabaldes
    Posts
    1.773
    Pontos: 36.842, Level: 84
    Atividade geral: 92,0%
    Conquistas:
    Tagger  - Primeira Classe Engajado(a) na comunidade Social 50000 Pontos de Experiência Criador(a) de conteúdo - Júnior

    Padrão Canalha Vence (placar=10X0)

    2017-Um-cara-muito-mau



    Era um cara muito grosso. Um cara bruto. Um cara que aprendeu a arrancar o que queria da vida a força de qualquer maneira que pudesse e não havia limite. Traiçoeiro, falso e oportunista.



    Extremamente traiçoeiro, falso e oportunista.



    Desalmado.



    Ele tinha um caminhão pipa. Ele conseguiu dinheiro para o caminhão pipa tombando caminhões na estrada. Recolhendo as mercadorias em carroça. Ele criava umas vacas numa roça que ele invadiu forçando uma viúva com seis filhos a ceder a área em troca de uma casa numa favela. A casa valia nada e não era propriedade dele. Ele a obteve durante uma eleição após ficar intimidando eleitores em boca de urna. No estio durante a noite, ele foi com o caminhão espingarda e 38 para uma vila bem distante da cidade com um cachorro podre cheio de agrotóxico dentro e um saco. Pegou este cachorro e incógnito sob a noite estrelada, jogou ele no poço de água limpa e cristalina do povoado e foi embora.



    Dois dias depois, surge ele com o caminhão pipa. O povo está sedento. Quase mil pessoas. Ele cobra dez reais o balde de água. Vende a água do caminhão pipa até a última gota. Dá um trocado para o administrador do povoado. Oferece serviço de drenagem para que o poço possa se recuperar em um mês. Na gaveta empoeirada do caminhão já tem um contrato da prefeitura preparado. Todo o povo do povoado assina. Ele sobe no caminhão. Na saída da cidade atropela um lindo cão.

    Pega o cachorro morto e põe no saco. Este povoado fica ao norte do território, então agora ele vai para o extremo sul do mesmo. Estrada de terra sem polícia rodoviária, sem policia federal. Ele sabe e pode percorrer grande parte do país por elas. Estradas sem lei complicadas, entrecortadas por onde se deslocam todo tipo de coisa doida e produto ilegal. Coragem e bala. Sem piedade. Vacilou, morreu.



    Ele dirige habilidosamente levantando poeira da estrada. Está rico. A cada dia mais e mais rico. Um dia ele dará o salto. Um dia ele será vereador, depois um dia será prefeito e num outro dia deputado federal. Aí ele terá o nome limpo. Será aclamado e adorado. Terá família, filhos. Será respeitado. Terá mais e mais poder. Um dia aquela avenida lá. Esta a ver aquela avenida ali? Pois bem, um dia ela vai levar o nome dele. Morrerá velho e gordo. Ele entrará para a história.



    Não existe este negócio de suficiente. Não existe este lance de limites. Tudo é possível se a pessoa conhece o esquema e colabora com grana porque a roda nunca, nunca pode parar de girar. A roda nunca, nunca pode parar de girar.


    Consiga a quantidade de capital necessária. Negocie. Tudo será possível.Nada de bens materiais. Apenas capital.


    Siga o exemplo dele.


    Ele administra uma grande casa que no nome dele não está. Está no nome de um conhecido que passou procuração para ele suas posses administrar. Até empréstimo no banco ele pode fazer. O tal conhecido, é um desconhecido que mal o nome consegue escrever. Ganha do canalha uma cesta básica por mês sem falta e vive num pedaço da terrinha da viúva do desterro, com mulher e três filhos, sendo um deles deficiente que é a salvação da família e o maior orgulho, pois recebe pensão do governo.

    A grande casa é vazia. Uma geladeira velha. Um fogão de lenha no imenso quintal. Uma pesada tv de 14 polegadas, um rádio Am/Fm ordinário. Um sofá rasgado. Uma empenada cama de casal. Não tem um livro. Não tem um computador, nem um único jornal. Por que, talvez, a verdadeira notícia neles não se fez. O conto acaba aqui então.


    Baseado na lei do cão.


    Kkkkk


    Talvez esta história seja ficção, talvez eu que escrevo e você que lê isto é que somos a ficção.


    Não pense nisto.


    Talvez não se ache a paz sendo pacífico.


    Talvez a guerra e a paz não existam.


    Não pense nisto.


    Talvez só exista a guerra e a paz seja a ilusão que alivia.


    A guerra não é apenas uma só guerra, mas sim, guerras dentro de guerras cada um com sua particularidade. Micro guerras. Macro guerras; e vai até a guerra individual de cada um.


    Não pense nisto.


    A propaganda prova que as empresas existem.


    Empresas com posturas e objetivos. Valores e coerências.


    Não pense nisto.


    A guerra é por recurssos. Tudo que importa é expandir territórios. Obter recursos. Recursos vitais para si, para empresas, para estados e grupos. Todos acabam sendo combatentes que executam a vontade de um poder sem rosto.


    Não pense nisto.


    Vamos ver televisão.


    Nunca pense nisto.


    Nunca.


    Vamos comprar sapatos e chocolates.


    Manipulação.


    Pura mentira.


    Mentira e loucura.


    Sorria e não pense nisto de jeito nenhum.


    Pura mentira.


    Será? Talvez. Acho que sim. É o que dizem. Segundo a pesquisa...


    Em diversos jornais tem artigo sobre o mesmo assunto, um assunto qualquer. Era o mesmo assunto, mas o que diziam não era a mesma coisa. Cada um diz uma coisa diferente do que o outro diz. Mas sobre o mesmo assunto.


    Não pense nisto.


    Saboreie um sanduíche de presunto.




    .
    Última edição por gu1le; 18-06-2017 às 17:52.


    “A leitura torna o homem completo; a conversação torna-o ágil; e o escrever dá-lhe precisão.”
    (*¥*)
    - Francis Bacon


  2. O seguinte usuário agradeceu à gu1le por esse post:

    lureinhardt (15-06-2017)

Tags para este Tópico

Marcadores

Permissões de Postagem

Sobre nós
© 2006 - 2017. tocadacoruja.net

  • » FAQ
  • » Manual do Fórum
  • » Parcerias
  • redes sociais